quinta-feira, 11 de fevereiro de 2010

A faxina faz parte da formação do aluno

video

Quando ingressei na BM, em 1986, depois do campo de adaptação a nova vida militar, realizado no entorno da lagoa Suzana, em Cidreira (RS), de volta a Academia de Polícia Militar, em Porto Alegre, ganhei uma função extra, além de ser cadete da BM. A função de faxineiro de plantão permanente. Aliás, não foi privilégio só meu, todos os "bixos" ganharam a honrosa função de manter a limpeza do quartel.

Cada um de nós tinha fixo um box de banheiro e uma janelona de vidro para limpar. No intervalo das aulas corriamos para ver se o box estava limpo e se alguma mosca desavisada não tinha escolhido a janela da responsabilidade do aluno para, justo nela, fazer suas necessidades. Era engraçada essa parte do dia. Vivíamos com um paninho no bolso para "encobrir as evidências".

E é claro que também fazíamos "cricri". Para quem não serviu, a tradução de cricri é capinar, catar ou mesmo arrancar a grama ou as ervas que nascem entre os paralelepipedos do calçamento de uma rua.

Éramos bem prendados. Fazíamos faxina, lavávamos a própria roupa (quem não tinha a mãe por perto), passávamos, costurávamos. A cama era rigorosamente bem arrumada. O armário impecável. Não cozinhávamos porque naquela época, a Brigada ainda tinha rancho. Que alívio! Hoje os alunos não tem mais essa "regalia". Comem bolachinhas, banana guardada no armário (quando tem armário), além de outras frutas e guloseimas engordantes, porque o senhor Antonio Britto, por volta de 1995, mandou acabar com os ranchos na BM.

Vendo os alunos dando vida ao batalhão, além de estudar muito, fazendo faxina nos corredores do 9º BPM, viajei no tempo. Lembrei do meu tempo de aluno. Bons tempos que não voltam mais. A gente passa dificuldades. Conta o tempo rigorosamente para terminar logo o curso, porque é uma carga de estudo e trabalho puxada, muito cansativa. Mas depois que ele acaba, no dia seguinte, a gente já sente saudade que só vai aumentando com o passar dos anos.

Texto: major Aroldo Medina, 25 anos de BM.

Nenhum comentário:

Postar um comentário